Fibria anuncia aumento da capacidade de produção

Publicação
A Fibria, empresa brasileira de base florestal e líder mundial na produção de celulose de eucalipto, anuncia o aumento da capacidade de produção da nova unidade em Três Lagoas (MS), que passa de 1,75 milhão de toneladas/ano para 1,95 milhão de toneladas/ano. Essa nova ampliação do projeto não muda o investimento total previsto na obra, de R$ 8,7 bilhões, equivalente a cerca de US$ 2,4 bilhões.
A divulgação da nova capacidade de produção ocorre no momento em que a companhia celebra um ano do Projeto Horizonte 2, que já conta com 32,5% das obras concluídas.  Nesta terça-feira (31/5), o presidente da Fibria, Marcelo Castelli, e o governador do estado de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, anunciam o aumento da capacidade de produção no canteiro de obras da empresa. 
Somando a nova linha à atual fábrica já em operação, a unidade de Três Lagoas (MS) ampliará sua capacidade de produção em 150%, superando a capacidade total de 3,2 milhões de toneladas de celulose/ano. Com isso, a capacidade total de produção da Fibria, considerando-se todas as suas unidades no Brasil, passará dos atuais 5,3 milhões de toneladas de celulose/ano para 7,25 milhões de toneladas de celulose/ano.
A Fibria tem investido no desenvolvimento da base florestal na região com o objetivo de abastecer a nova linha de produção. O suprimento de madeira necessário para a operação da nova fábrica virá de florestas cultivadas no Mato Grosso do Sul. Serão necessários 187 mil hectares de florestas plantadas em áreas próprias, arrendamento e parcerias. Somados os 120 mil hectares destinados a atender a fábrica atual, a base florestal que irá suprir a unidade de Três Lagoas passa para 307 mil hectares. O raio médio das florestas até as duas linhas de produção da empresa será de menos de 100 quilômetros, um dos mais competitivos do mercado.
A unidade da Fibria em Três Lagoas segue os mais modernos conceitos de ecodesign, com processos produtivos mais limpos e eficientes. Além disso, toda a energia consumida é gerada na própria fábrica, por meio de biomassa proveniente de cascas do eucalipto e biomassa líquida resultante do processo industrial. Com o aumento da capacidade de produção, a unidade industrial, além de gerar e consumir a própria energia, passará a ter um excedente de 130 MWH, que contribuirá positivamente para o balanço energético brasileiro, além de favorecer a matriz energética ao usar fontes renováveis. 
“A ampliação da capacidade de produção do Projeto Horizonte 2 mostra que os fundamentos que nortearam a estruturação da expansão da nossa unidade em Três Lagoas são sólidos e amparados em uma estrutura financeira que maximizam os ganhos para a Fibria. Estamos anunciando a capacidade maior sem que sejam necessários novos aportes financeiros. Nos dá orgulho ver as obras em andamento, gerando empregos, melhoria na qualidade de vida e desenvolvimento para Três Lagoas, para o Mato Grosso do Sul e para o Brasil”, afirma Marcelo Castelli, presidente da Fibria.
 
Estrutura de Financiamento do Projeto Horizonte 2
Em maio deste ano, a Fibria assinou os contratos de financiamentos com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com o Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO) da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (SUDECO) e com a agência de crédito à exportação da Finlândia (Finnvera). Com isso, todos os recursos necessários para a nova linha de produção da Fibria estão formalmente contratados e garantidos. 
O custo médio do financiamento do Projeto Horizonte 2 ficará em 2,1% ao ano, em dólar. A solução financeira para o projeto irá melhorar a qualidade de crédito da companhia, reduzindo o juro médio atual em dólar de 3,4% para 2,9%, e com vencimento em prazos mais longos.
Como complemento às linhas de financiamento, a Fibria irá obter os demais recursos necessários para o projeto com a liberação de capital de giro decorrente do contrato feito em 2015 com a Klabin para comercialização da celulose proveniente do projeto PUMA. 
O BNDES aprovou financiamento no valor de R$ 2,3 bilhões para a Fibria. O projeto inclui a aquisição de vagões, locomotivas, máquinas e equipamentos nacionais, além de investimentos sociais em áreas de influência da empresa. Como parte do funding do projeto, a Fibria contou com a emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs), realizada em outubro de 2015, no valor total de R$ 675 milhões. Com isso, a empresa pôde se beneficiar do Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa, criado pelo BNDES em 2015, que visa estimular o mercado de capitais no Brasil. 
Já a Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (SUDECO) concedeu um financiamento no valor de R$ 831,5 milhões para a Fibria. A empresa se enquadra na prioridade setorial da SUDECO por pertencer ao setor tradicional e por se tratar de uma indústria de celulose integrada a um projeto de reflorestamento, e também na categoria prioridade espacial por estar localizada no município de Três Lagoas (MS) e ser classificada na tipologia da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), o que confere preferência na aplicação de recursos do FDCO.
No mercado externo, a Fibria acessou duas linhas de financiamento, sendo US$ 400 milhões em empréstimo sindicalizado, via pré-pagamento de exportação, com custo médio de taxa Libor mais 1,43% e prazo médio de 5 anos; e outros US$ 400 milhões com a agência de crédito de exportação Finnvera (da Finlândia), que financia equipamentos deste país.
 
Compromisso com a comunidade
Com o Projeto Horizonte 2, a Fibria reafirma o compromisso de atuar de forma responsável no fomento e desenvolvimento contínuo de suas comunidades vizinhas. Por isso, a empresa anuncia também o Programa Básico Ambiental, que vai investir mais R$ 6,2 milhões em Três Lagoas na compra de equipamentos para secretarias municipais e reformas em quatro escolas municipais, de uma Clínica Odontológica e de uma Clínica Ortopédica. Outras entidades também estão sendo contempladas, como Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Polícia Civil, Centro Salesiano e APAE.
Os municípios sul-mato-grossenses de Brasilândia e Selvíria também serão beneficiados com investimento superior a R$ 1,9 milhão em reforma de escola municipal e hospital.  O governo do Mato Grosso do Sul recebeu repasse de R$ 34 milhões de compensação ambiental, totalizando R$ 41, 5 milhões em investimentos no estado e nas comunidades locais. 
Ao longo dos dois anos de execução do projeto serão criados 40 mil empregos diretos e indiretos. Durante o pico da obra, serão cerca de 10 mil trabalhadores. Quando entrar em operação, a nova linha de celulose da Fibria terá 3 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos. Também durante a construção do projeto, a Fibria contará com cerca de 60 fornecedores de Três Lagoas, contribuições que favorecem o desenvolvimento econômico do município, com melhoria na qualidade de vida dos cidadãos e de suas famílias. As obras também terão impacto positivo nas finanças públicas, com estimativa de arrecadação de impostos de cerca de R$ 450 milhões durante a construção. 
O projeto de expansão da unidade da Fibria de Três Lagoas prevê outros R$ 11,7 milhões em investimentos sociais em parceria com o BNDES. Além de saúde e educação, os investimentos sociais preveem projetos de geração de renda, inclusive com a ampliação do PDRT – Programa de Desenvolvimento Rural Territorial, que ajuda a desenvolver nas comunidades rurais do entorno formas de garantir renda e inclusão social.  Ao todo, serão 43 projetos beneficiando 43 mil pessoas.

Fonte: Fibria

 

Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009