FAPESP e BBSRC anunciam apoio a projetos

Publicação
As pesquisas para o desenvolvimento de biocombustíveis de segunda geração devem ganhar impulso no Brasil com o início de dois grandes projetos, que receberão apoio conjunto da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e do Biotechnology and Biological Sciences Research Council (BBSRC), um dos sete Conselhos de Pesquisa do Reino Unido (RCUK, na sigla em inglês).
O investimento em parceria foi anunciado pelas duas instituições, que aprovaram dois projetos de pesquisa colaborativa para a obtenção de biocombustíveis avançados envolvendo diferentes abordagens em biorrefinaria – como são chamados os complexos industriais que produzem combustível, eletricidade e produtos químicos a partir de biomassa.

O financiamento total aos projetos será de 5 milhões de libras esterlinas (aproximadamente R$ 19 milhões), dos quais £ 3,5 milhões (cerca de R$ 14 milhões) ficarão a cargo do BBSRC, e outros £ 1,5 milhão (algo em torno de R$ 5 milhões) da FAPESP. O valor investido nos dois projetos representa um dos maiores volumes de recursos já aplicados pela Fundação em uma chamada conjunta de propostas, e é justificado pelos desafios científicos e tecnológicos envolvidos, a serem enfrentados nos próximos quatro a cinco anos.

Um dos projetos foi apresentado por Telma Teixeira Franco, coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Estratégico (Nipe) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e David Leak, professor da University of Bath (Inglaterra). Os pesquisadores pretendem desenvolver enzimas e novos microrganismos fermentativos, melhorar as características da biomassa de plantas (palha, bagaço de cana, sorgo e resíduos de eucalipto) para produz ir biocombustíveis avançados e produtos químicos, além de explorar novas rotas tecnológicas e avaliar sua viabilidade industrial e comercial.
O outro projeto, proposto por Fábio Squina, pesquisador do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), e Timothy David Howard Bugg, professor da University of Warwick (Inglaterra), visa desenvolver novas rotas biotecnológicas para valorizar a lignina (particularmente de cana-de-açúcar e trigo), utilizada sobretudo para queima e fornecimento de energia para processos biotecnológicos, a partir do uso de microrganismos, desenvolvidos por engenharia metabólica, em p rodutos químicos. 

Apoio estratégico
O investimento anunciado para os dois projetos deve intensificar o trabalho entre o Brasil e o Reino Unido na pesquisa biológica voltada para o desenvolvimento e produção de biocombustíveis. A estratégia para o apoio aos projetos considerou a elevada qualidade científica das pesquisas realizadas em instituições de ambos os países, bem como a liderança exercida pelo Brasil na produção mundial de biocombustíveis.
Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor cientifico da FAPESP, os projetos aprovados buscam enfrentar um dos desafios mais significativos para a produção de bioenergia hoje no mundo. “A chamada FAPESP-BBSRC mobiliza colaboração científica para estudar um tema extremamente relevante para o Brasil, que é a bioenergia. Os dois projetos selecionados, cada um liderado por um par de destacados cientistas de São Paulo e do Reino Unido, enfrentam um dos desafios mais importantes em bioenergia hoje: a utilização de material lignocelulósico para produzir insumos químicos valiosos e combustíveis líquidos”, disse.
A chamada fez parte do acordo mantido desde 2009 entre a FAPESP e o RCUK, do qual o BBSRC faz parte, o que reforça a colaboração científica envolvendo Brasil e Reino Unido e a cooperação entre pesquisadores dos dois lados do Atlântico.

As duas instituições também lançaram, em conjunto com o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), uma chamada de propostas, no âmbito do Newton Fund, voltada a selecionar centros virtuais de pesquisa em nitrogênio para a agricultura.
Além disso, mantêm uma chamada de propostas de fluxo contínuo – em que pesquisadores do Reino Unido podem submeter ao BBSRC, bem como aos demais conselhos abrangidos pelo RCUK, propostas de pesquisa conjuntas com pesquisadores vinculados a universidades e instituições de pesquisa no Estado de São Paulo a qualquer momento –, e outra voltada a promover colaborações científicas de curto prazo.

Além do BBSRC, desde 2009 o acordo entre FAPESP e RCUK lançou chamadas com os conselhos britânicos de Artes e Humanidades (AHRC), de Pesquisas Econômicas e Sociais (ESRC), com o Natural Environment Research Council (NERC) e com o Medical Research Council (MRC). No entanto, a chamada de propostas com o BBSRC foi a primeira na esfera do acordo com o RCUK em que todo o processo de análise do mérito científico foi conduzido pela FAPESP.
Conforme declarou o diretor-executivo do BBSRC, Steve Visscher, em comunicado oficial, “a chamada conjunta liderada pela FAPESP demonstra a força da relação entre as duas instituições, baseada em colaborações de longa data entre o Reino Unido e os cientistas brasileiros. Este investimento demonstra o compromisso contínuo do BBSRC na pesquisa em bioenergia, que vemos como prioridade estratégica, além dos benef&iacut e;cios de trabalhar com parceiros globais no enfrentamento de desafios".

 

Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009