PRINCIPAIS QUESTÕES AMBIENTAIS CAUSADAS PELOS EFLUENTES

Artigos Técnicos | Artigo Técnico | 23.04.2018
Publicação
PRINCIPAIS QUESTÕES AMBIENTAIS
CAUSADAS PELOS EFLUENTES DE FÁBRICAS
DE CELULOSE DA AMÉRICA LATINA
Autores: Tatiana Heid Furley 1, Fernando Aquinoga de Mello1, Joselaine Broetto Lombardi Siqueira 1
1 APLYSIA Soluções Ambientais. Brasil

O PAPEL vol. 79, num. 4, pp. 70 - 77 APR 2018

RESUMO
Os efluentes de fábricas de celulose apresentam uma grande variedade
de compostos químicos, provenientes de diferentes setores
da fábrica, que podem ser tóxicos à biota aquática do corpo receptor,
mesmo após o seu tratamento. Os principais problemas desses
efluentes estão correlacionados com a alta carga orgânica, a coloração
marrom escuro, presença de AOX, e de poluentes tóxicos.
Neste estudo buscou-se avaliar os efeitos dos efluentes de celulose
na reprodução de peixes em países onde os efeitos reprodutivos
na biota aquática e as indústrias estão bem estabelecidos (Canadá,
Nova Zelândia), em comparação com países onde as fábricas são
recém-construídas e de última geração, porém com poucos dados
de efeitos (América Latina). Além disso, objetivou-se esclarecer, por
meio de dados laboratoriais de ensaios de toxicidade, se o potencial
tóxico agudo dos efluentes das fábricas de celulose da América Latina
está diminuindo e ainda qual área da fábrica e qual grupo químico
mais contribuem para a toxicidade aguda do efluente tratado.
Os resultados demonstram que a presença de sólidos suspensos
nos efluentes pode interferir na reprodução de peixes, o que corrobora
com estudos realizados no Canadá, onde verificou-se que a
redução da carga orgânica proporcionou o maior potencial em redução
dos efeitos sobre a reprodução de peixes nos testes laboratoriais.
Para a avaliação de ecotoxicidade notou-se que o potencial tóxico
agudo dos efluentes das fábricas da América Latina tem diminuído
ao longo dos anos, sendo os efluentes setoriais do condensado, chorume
e branqueamento ácido, os que mais contribuem para a toxicidade
do efluente final. As principais causas da toxicidade aguda dos
efluentes foram os sólidos dissolvidos, amônia, metais, oxidantes,
compostos voláteis do processo e da ETE e sólidos suspensos da ETE.


Autor correspondente: Tatiana Heid Furley. Vitória-ES Cep. 29090-210 Brasil. Fone: +55-27-3337-4877. e-mail: tatiana@aplysia.com.br
Anexos

Download do artigo

PDF | 1551 Kb

 

Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009