Publicação
POR FELIPE SOUZA

Economista-chefe e mestre em Economia pela UNESP Araraquara. Iniciou as
atividades na Lafis em 2010, onde é macroeconomista, além de ser responsável
pelo acompanhamento do setor de papel & celulose e transportes.
E-mail: ccare@lafis.com.br / atendimento@lafis.com.br
www.lafis.com.br

Dada a conjuntura fiscal de rápida expansão do
déficit primário e a necessidade de recompor
o caixa do Governo, junto à vontade da equipe
econômica, liderada pelo Ministro da Economia
Paulo Guedes, de tornar o ambiente tributário mais
racional (de forma que não retire ainda mais a eficiência
das empresas), nasce o projeto de reforma tributária encaminhada
pelo Governo Bolsonaro ao Congresso.
Dentre diversos pontos em análise, a proposta prevê a
unificação do PIS e da Cofins em um novo e único tributo
sobre valor agregado, com o nome de Contribuição Social
sobre Operações com Bens e Serviços (CBS). Assim, se
aprovado o projeto de lei, o tributo terá alíquota única
para todas as empresas, de forma a unificar o modelo de
tributação entre diferentes setores, todos agora submetidos
a uma alíquota única de 12%, salvo raríssimas exceções
previstas.
Mas como esta alteração impactaria no setor de papel
& celulose e editorial nacional? A resposta é que tal mudança
do modelo de tributação acabaria com a isenção
tributária do chamado “papel imune”.
Anexos

PDF | 126 Kb

 

Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009