REINVENTAR AS ORGANIZAÇÕES. SERÁ QUE É POSSÍVEL?

Artigos Assinados | Carreiras e Oportunidades | 25.11.2020
Publicação
Será que é possível criar organizações livres das
patologias que aparecem tão frequentemente nos
ambientes de trabalho? Livres de politicagem, burocracia
e rivalidade? Livres de estresse e exaustão?
Livres de resignação, ressentimento e apatia? Livres de
exibições do topo e do trabalho penoso na base? Será que
é possível reinventar as organizações, projetando um novo
modelo que torne o trabalho mais produtivo, gratificante e
cheio de significado?
Com estas provocações, Frederic Laloux abre o livro Reinventando
as Organizações e joga a “batata quente” em nossos
colos e, que a verdade seja dita, muitas das empresas hoje não
conseguem responder, com a velocidade necessária, às mudanças
que o mundo tem passado e, com isso, tem perdido primeiro
em competitividade, o que já é muito ruim, mas também
tem ocorrido perdas em capital humano – gente muito competente
que por algum motivo perdeu a inspiração e a motivação
de permanecer na empresa.
A questão é: será que a forma como enxergamos o mundo,

hoje, nos limita ou nos possibilita criarmos modelos de gestão
mais modernos e eficientes? As startups estão aí para nos
provar que é possível inovar e sair do lugar comum de fazer
sempre mais do mesmo. Elas nasceram em tempos difíceis e
têm como estratégia estilos de gestão e produção ágeis, simples
e bem mais inteligentes, que prometem revolucionar a forma
com a qual fizemos negócios até os dias de hoje.
Mas veja bem: aproveito para lhe dizer que é preciso estarmos
atentos quando paramos para olhar a performance das
organizações em uma fotografia recente, para não as demonizarmos,
pois a reflexão provocada por esta coluna não é sobre
isso. A questão levantada por Laloux é uma questão importante
e que tem intrigado mentes brilhantes que estudam o futuro
das organizações. Estamos tratando aqui de algo sério, que é
a sensação constante de estarmos cada dia mais “exaustos” da
estrutura frenética vivenciada nas organizações, rotina essa que
muitas vezes esconde na sua estrutura profissionais adoecidos
e completamente perdidos dentro de um grande sentimento de
vazio, ou seja, de falta de pertencimento e propósito.
Anexos

PDF | 174 Kb

 

Esta publicação fala sobre
RH
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009