CBC CHEGA AOS 65 ANOS EM CONSTANTE DESENVOLVIMENTO

Publicação
CBC CHEGA AOS 65 ANOS EM
CONSTANTE DESENVOLVIMENTO
Empresa destaca diferenciais tecnológicos, assimilando
know-how da japonesa Mitsubishi há 57 anos e visualiza futuro
em engenharia integrada para atender a tendências do mercado


Tecnologia de ponta e gestão
sólida. Esses dois atributos
garantiram à CBC Indústrias
Pesadas S.A., mais conhecida
por “CBC”, completar seus
65 anos de atividades no Brasil, conforme
Kazumichi Makino, diretor-
-presidente da companhia. Makino
comentou essa trajetória de forma
bastante ilustrativa ao comparar
importantes e complexos momentos
históricos enfrentados pelo País.
“Mesmo dentro do cenário político e
econômico tão conturbado do Brasil,
como a década perdida após o grande
crescimento econômico dos anos
1960, superinflação e plano real dos
anos 1990, o boom de recursos nos
anos 2000, a Lava Jato e a recessão
econômica na década de 2010, a CBC
foi capaz de continuar fornecendo
produtos para atender às necessidades
do cliente”, acrescentou.
Tudo começou quando na década
de 1950 os negócios da caldeiraria
FRIGE, em Varginha-MG, despertaram
o interesse do grupo alemão Von
Thyssen, comandado pela condessa
Anita Thyssen, que fez uma oferta
de compra, concretizando o negócio
no dia 8 de setembro de 1955. Nesse
momento, a calderaria teve seu nome
alterado para Cia. Brasileira de Caldeiras,
com licença para fabricar caldeiras
de Stein Muller, da Alemanha.
A companhia passou por diversas
reestruturações, sendo adquirida
em 1963 pelo grupo japonês Mitsubishi
(Mitsubishi Heavy Industries,
Mitsubishi Corporation e Mitsubishi
Electric Corporation), elevando a
companhia a outro patamar de capacidade
de fabricação e assimilando
toda a tecnologia da empresa
no País. (Confira a linha do tempo
completa da CBC no Brasil).
No ano de 1991, as atividades na
fábrica de Varginha-MG foram encerradas
e transferidas para a unidade fabril
de Jundiaí-SP. Atualmente, todas
as atividades estão concentradas nessa
unidade que foi inaugurada em 1976,
possuindo área construída de 69.860
m², sendo assim, a maior fábrica de
caldeiras da América do Sul.

Confira a matéria completa no PDF
Anexos

PDF | 1164 Kb

 

Thais Santi
Jornalista Revista O Papel
tel. (11) 38742726
Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009